Yojimbo - O Guarda-Costas (Japão) - Volta ao Mundo em 80 Filmes

A segunda parada em nossa volta pelo mundo é uma viagem pelo espaço-tempo. Vamos para o Japão, no ano de 1860, acompanhar a história de um ronin que quer se aproveitar da guerra entre duas gangues rivais para ganhar dinheiro fácil.

Yojimbo - O Guarda-Costas é um dos melhores filmes do grande diretor japonês Akira Kurosawa. Kurosawa inspirou vários cineastas ocidentais, a partir dos anos 60 e 70, servindo de referência para faroestes, ficções científicas e até animações (como em Vida de Inseto).

Yojimbo - O Guarda-Costas, de Akira Kurosawa


Yojimbo conta a história de Sanjuro, vivido brilhantemente por Toshiro Mifune, um samurai sem mestre que chega em uma pequena cidade do interior do Japão e encontra a mesma dividida em uma guerra. Dois senhores, cada um com sua gangue de samurais foras da lei, vivem nos cantos opostos dessa cidade, que contém apenas uma rua principal. Sanjuro se aloja no comércio de um assustado taberneiro e começa a enganar os dois chefes, oferecendo seus serviços hora para um, hora para o outro, sempre tentando arrancar mais dinheiro deles.

Apesar de parecer alguém sem nenhuma honra, vemos que Sanjuro (nome, aliás, inventado pelo samurai) é muito mais do que alguém que mata para quem pagar melhor. Ele é um personagem humano e que se importa com as poucas pessoas que vivem à margem daquela disputa.

Sanjuro tem apenas um inimigo à sua altura nessa guerra, Unosuke (Tatsuya Nakadai), o irmão mais novo de um dos chefes, que volta para a cidade trazendo um revólver. Como um samurai com uma espada poderia enfrentar alguém carregando uma arma de fogo?

Yojimbo - Katana vs revólver


O filme foi lançado em 1961 e ganhou uma versão faroeste não autorizada, dirigida por Sergio Leone, em 1964: Por Um Punhado de Dólares, estrelada por Clint Eastwood, que fazia o papel do "Homem Sem Nome". Assim que Por Um Punhado de Dólares foi lançado, Kurosawa exigiu uma reparação por parte de seus produtores, chegando a escrever que Leone tinha feito "um bom filme, mas é MEU filme". Depois de muita controvérsia, os italianos foram condenados a pagar US$ 100.000 de reparação para os produtores de Yojimbo.

A verdade é que mesmo que as duas obras tenham sido feitas a partir de uma mesma fonte: o livro Seara Vermelha, de Dashiell Hammett, não dá para Leone negar que diversas cenas de seu filme são muito parecidas com as de Yojimbo, não apenas a história.

Yojimbo - O Guarda-Costas é uma daquelas obras-primas do cinema. Quem gosta da sétima arte, não deve deixar de assistir.

Em 1962, Kurosawa filmou Sanjuro, que é uma ótima continuação para Yojimbo. Estrelado novamente por Mifune, Sanjuro conta uma nova história, independente do primeiro filme, mas em que o personagem pode ser facilmente reconhecido por suas atitudes.


Yojimbo - O guerreiro solitário


Para os fãs de Star Wars, algumas curiosidades. Muito se fala da influência de Kurosawa na saga de George Lucas. O capacete do Darth Vader, a forma como os jedis seguram seus sabres de luz, a influência de A Fortaleza Escondida na criação de R2-D2 e C-3PO, mas aqui em Yojimbo podemos reparar em três outras coisas:

1 - os cortes de cena, onde a nova vem se sobrepondo à anterior lateralmente (já vi gente reclamando disso em Star Wars);

2 - o emblema que Sanjuro tem em seu quimono, que me lembrou muito o símbolo do Império Galáctico;

3 - o principal vilão do filme usa uma arma de fogo contra os outros samurais, isso é tão "não civilizado"...

Será que são apenas coincidências?

Sanjuro e o emblema do Império Galáctico - Inspiração?


YOJIMBO - O GUARDA-COSTAS

Título original: Yôjinbô

Ano de lançamento: 1961

Diretor: Akira Kurosawa

Roteiro:  Akira Kurosawa e Ryûzô Kikushima

Atores principais: Toshirô Mifune, Eijirô Tôno e Tatsuya Nakadai

Falado em: japonês




VOLTA AO MUNDO EM OITENTA FILMES

2 países visitados: Estônia / Japão

Bonecos Funko-Pop Inspirados em Personagens do Cinema - Parte 1

Uma das coisas mais legais que apareceram nos últimos anos, para os fãs de cinema e cultura pop, foram os bonecos Funko-Pop!

Apesar deles terem todos o mesmo estilo, com rostos e corpos parecidos, alguns detalhes de cada boneco fazem com que o mesmo seja inconfundível. Olhamos para um Funko-Pop! do Vincent Vega e imediatamente lembramos do papel de John Travolta em Pulp Fiction - Tempo de Violência.

Heisenberg e Vincent Vega aprontando na minha estante


Além do boneco em si, suas caixas são muito bem feitas, com detalhes que remetem às obras de onde eles saíram.

Nos Estados Unidos, cada unidade costuma custar entre US$ 10 e US$ 15. Já por aqui, os preços variam de R$ 70 a R$ 90.

Com o lançamento dos bonecos da saga Harry Potter, resolvi fazer este post mostrando algumas das coleções baseadas em filmes que adoramos.

HARRY POTTER

Bonecos Funko Pop do Harry Potter


STAR WARS

Bonecos Funko Pop Star Wars

Bonecos Funko Pop Star Wars

Bonecos Funko Pop Star Wars

Bonecos Funko Pop Star Wars
Bonecos Funko Pop Star Wars



MONSTROS CLÁSSICOS DA UNIVERSAL

Bonecos Funko Pop Monstros Clássicos da Universal


PULP FICTION

Bonecos Funko Pop Pulp Fiction


OS GOONIES

Bonecos Funko Pop Os Goonies


ALIEN / PREDADOR

Bonecos Funko Pop Alien e Predador


MATRIX

Bonecos Funko Pop Matrix



ROCKY

Bonecos Funko Pop Rocky, Um Lutador


MALÉVOLA

Boneco Funky Pop Malévola


MARY POPPINS / EDWARD MÃOS-DE-TESOURA


Bonecos Funko Pop Mary Poppins e Edward Mãos-de-Tesoura


Fonte para as imagens:

Volta ao Mundo em 80 Filmes: Tangerines (Estônia)

No ano passado, assisti a filmes de 28 países diferentes. Há algumas semanas, tive essa ideia para aumentar o número de países em 2015 e, ao mesmo tempo, voltar a atualizar o blog: assistir e resenhar obras de 80 países diferentes. Como um Phileas Fogg, que apostou com seus amigos ingleses que conseguiria dar a volta ao mundo em 80 dias, apostei comigo mesmo que posso dar a "volta ao mundo em 80 filmes". Será que consigo, até o final do ano, ver pelo menos um filme de 80 países diferentes e escrever sobre eles?

Não sei se o blog ainda tem algum leitor, mas espero que quem acompanhar minha jornada possa se entreter e pegar dicas sobre bons filmes do cinema mundial. Apertem os cintos, pois vamos começar nossa viagem indo direto para a Estônia (errr...  mais ou menos isso), um dos países bálticos, colado ali na Rússia.

Poster de Tangerines (Mandariinid)


Tangerines (Mandariinid) é um filme de 2013, do diretor Zaza Urushadze. Sua trama se passa durante a Guerra da Abecásia, em 1992, em uma pequena vila de estonianos que moravam na região próxima da fronteira entre a Geórgia e a Rússia. Com a explosão da guerra, quase todos os estonianos fugiram de volta para o seu país, mas dois deles ficaram para colher suas tangerinas, já que não queriam perder o trabalho que tiveram deixando tudo para trás.

Depois de um tiroteio na frente de suas propriedades, os estonianos acabam salvando dois soldados, um checheno (separatista) e um georgiano, trazendo os dois para dentro da casa e cuidando de seus ferimentos, um em cada quarto. À medida que eles melhoram, as animosidades começam a aumentar, ao mesmo tempo em que a preocupação dos dois moradores da vila cresce, pois eles temem não conseguir colher todas as tangerinas.

O filme fala de uma maneira bem poética sobre a estupidez da guerra. O ódio anônimo dos combates, onde um grupo de soldados atira em inimigos desconhecidos, perde todo o sentido quando dois deles, feridos, se ofendem em volta de uma mesa, tomando café da manhã, um sabendo o nome do outro. Eles prometem a seu salvador que não irão se matar enquanto estiverem dentro da casa, mas ficam se ameaçando toda vez que se encontram na sala. Mas será que a diferença de raça, nacionalidade e/ou religião é suficiente para alimentar o ódio de dois indivíduos que passam a conviver e se conhecer como pessoas?

A estupidez da guerra em Tangerines (Mandariinid)


A obra foi indicada ao Oscar e ao Globo de Ouro 2015 de filme estrangeiro, além de ganhar prêmios em diversos festivais ao redor do mundo.

Gostei muito de Tangerines, um filme de roteiro enxuto, sem furos e com um final digno e sem concessões. Não percam a chance de assisti-lo. A volta ao mundo começou bem.

PS. Apenas uma pequena explicação, Tangerines é uma coprodução entre a Estônia e a Geórgia e se passa em uma vila da Geórgia, mas foi indicado aos prêmios pela Estônia. Além disso, conta principalmente o drama de dois estonianos e a maioria das suas falas é em estoniano, por isso resolvi considerá-lo como um filme estoniano. Por fim, já tenho um filme georgiano incrível para indicar para vocês, mas isso fica para outra viagem.


Tangerines (Mandariinid) - Protagonista calado e humano


TANGERINES

Título original: Mandariinid

Direção: Zaza Urushadze

Roteiro: Zaza Urushadze

Atores principais: Lembit Ulfsak, Elmo Nüganen, Giorgi Nakashidze e Misha Meskhi

Falado em: estoniano, russo e georgiano




VOLTA AO MUNDO EM OITENTA FILMES

1 país visitado: Estônia

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo do cinema e das séries?
ASSINE GRATUITAMENTE O NOSSO FEED RSS
Add no Google Reader

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO